domingo, 29 de junho de 2014

Cercanias da Freita

O arraial de festejo dos santos populares está a ser preparado junto à capela de Santa Maria do Monte, freguesia de Santa Eulália, que fica a 2 km da vila de Arouca. E, nós, estamos preparados para dar início à PR 4 - Cercanias da Freita. São 15 horas de sábado e saímos do largo da capela rumo ao lugar da Ameixieira, a 2.2 km de distância.

Placa informativa junto à capela


É, em Santa Maria do Monte, que a Grande Rota 28 - Por Montes e Vales de Arouca - cruza-se com a Pequena Rota 4. E, agora, é oportuno distingir PR de GR. Já que surgiram dúvida na minha cabeça, quando, há dois anos atrás, percorri pela primeira vez as 'Cercanias da Freita' e tive contacto com as placas pintadas de branco e vermelho (ver acima foto).

Bem, o que difere uma GR de uma PR é a distância do percurso. Uma Grande Rota tem 30 ou mais quilómetros de composição, enquanto uma Pequena está abaixo desse número. Esclarecido este apontamento, voltamos à descrição do trilho circular, de 13 km, que é de nível médio, para quem já tem hábitos de caminhada, e tem muitos recantos a descobrir (ver abaixo vídeo).


video
Recantos das Cercanias da Freita



A presença de castanheiros é constante


Começamos por percorrer trilhos rurais e, desde logo, aparecem sinais da abundância de castanha na zona (ver acima foto). A pouco e pouco, entramos em caminhos florestais (ver abaixo foto) e, nestes, a sombra dos pinheiros, eucaliptos e castanheiros acompanha-nos, em grande parte, no trajecto até Ameixieira.

Trilho florestal


Um pouco antes da chegada a Ameixieira, vemos árvores carregadas de ameixas maduras e prontas a ser ingeridas. Sabores e essências da época que enchem os nossos olhos e estômago de contentamento e satisfação (ver abaixo fotogaleria). E, é a calcar uma calçada de paralelos que vislumbramos as casas antigas de pedra da aldeia. Daqui, o próximo destino indicado é o lugar de Viveiros da Granja.

Viveiros da Granja a 2.5 km


video
PR 4 - Cercanias da Freita


Perto do lugar de Currais já só falta 1.2 km para Granja


De Ameixieira a Viveiros da Granja, caminhamos em calçadas e em caminhos florestais de terra batida. Nesta fase do percurso, os caminheiros encontram a parte mais complicada da PR 4. Quando, ainda na mata, avistamos um pequeno ribeiro, é sinal que estamos prestes a subir  um declive acentuado de montanha.

Assim que alcançamos um estradão, viramos à esquerda em direcção a Viveiros da Granja. O que demora muito pouco tempo, já que o caminho é plano. E, daqui, a vista panorâmica é imensa para o vale de Arouca e, bem longe, a Serra de Montemuro. Estamos, lado a lado, com a área natural da Serra da Freita.

Símbolo religioso que data de 1868


São 15.15 horas e passamos à antiga casa do guarda florestal e ao parque de merendas de Viveiros da Granja. Daqui, o percurso estende-se pela parte alta da freguesia de Moldes, intitulada "Travessa", onde percorremos uma das suas aldeias típicas, Chão de Espinho. Aqui, as casas rurais são de granito e complementadas por eiras e canastros adjacentes.

Abandonamos a serra em direcção ao lugar de Povos e, até lá, percorremos um 'mar' de castanheiros. Nesta época, encontrar castanhas é difícil e, sendo assim, recomendo que usufruam da sombra das folhas verdes, da flor das árvores e do aparecimento, ainda envergonhado, dos ouriços. Nesta, que é das zonas mais belas da rota, estão reunidas as condições para uma pequena corrida. Fica a sugestão.

Já em Povos, admiramos os campos em socalco cuidados e cultivados, as ameixas a colorir as árvores e as águas dos ribeiros que correm pelos caminhos antigos da aldeia. Trilhos estes que unem a aldeia de Povos ao lugar da Forcada (ver abaixo fotos). Até lá, temos pouco mais de um quilómetro pela frente.

Na chegada a Forcada, este canastro dá as boas-vindas


Aldeia da Forcada


De Forcada a Stª Maria do Monte resta 1.7 km



Antes de concluir o trajecto circular das 'Cercanias da Freita', conhecemos a aldeia de Forcada, que está a 1.7 km do início e fim do percurso. Os últimos passos dados e pegadas deixadas ficam nas ruas antigas do lugar de Santa Maria do Monte e, no arraial da capela, todos já estão prontos para a noite de S. Pedro. São 19.30 horas e voltamos para casa cansados e, ao mesmo tempo, renovados de ar puro.

Aventurem-se!

Um até já,

TS



sábado, 28 de junho de 2014

Até já Stª Maria do Monte

É, junto à capela de Santa Maria do Monte, na freguesia de Santa Eulália, que tem início a PR 4 - Cercanias da Freita. Uma pequena rota do concelho de Arouca com 13,3 km, em circuito, e com desníveis moderados.

O percurso percorre trilhos rurais, de floresta e de montanha, circundando as terras vizinhas à área natural da Serra da Freita. As 'Cercanias da Freita' dizem-me, desde Fevereiro de 2012, algo mais do que caminhar. 

A PR 4 faz parte das primeiras rotas que descobri e é uma das responsáveis pelo aumento da minha vontade de conhecer e fazer mais e mais percursos. Volvidos dois anos, volto lá. Mas, para já, deixo uma amostra daquilo que encontrei, no passado, ao percorrer as terras vizinhas da Freita. 


Chegada a Stª Maria do Monte

Tronco de um pinheiro a escorrer resina

Placa de lousa informativa

Marcas de orientação da PR 4

Chão gélido

Gelo

Evidência de castanheiros na zona

Caminho Certo

Efeitos do frio sentido a Fevereiro '12

Uma castanha resistente ao Inverno

Molho de varas de vime

Sombras 

Campos zelados



Aventurem-se!

Um até já,

TS


sexta-feira, 27 de junho de 2014

Guia de caminhadas

'Portugal ao Ar Livre' é um guia Visão 2014, que começa, esta quinta-feira, 26, a ser vendido com a revista semanal e sem qualquer custo adicional. Este suplemento é composto por seis exemplares e o primeiro, já disponível nas bancas, é o 'Guia 1 - A Pé'.

A Visão dá a conhecer 256 caminhadas, em Portugal continental e ilhas. Mostra o melhor de cada região e indica as coordenadas de GPS. Aqui, está um bom guia para um primeiro contacto com os percursos pedestres e respectivos locais. 


Aquando a inauguração do percurso a 26 de Outubro '13


O Centro de Interpretação Geológica de Canelas integra a Rota do Xisto


O rio Paiva está presente na Rota do Xisto e na Rota dos Aromas


Rota do Xisto, em Canelas

Rota das Laranjeiras, em Pessegueiro do Vouga


Trilho da Floresta, em Ovar


Na zona de Aveiro, os exemplos marcados pela revista são a Rota do Xisto, a Rota dos Aromas (Arouca), o Trilho da Floresta (Ovar), o Percurso do Bocage, as Ribeiras de Pardilhó, o Rio Gonde, o Salreu (Estarreja), a Rota das Laranjeiras, a Rota do Megalitismo (Sever do Vouga), a Da Ria ao Farol (Aveiro), a Entre a Ria e a Floresta (Ílhavo), a Da Pateira ao Águeda, as Terras de Granito (Águeda) e a Do Luso à Serra do Buçaco (Mealhada).

Aventurem-se e bons passeios!

Um até já,

TS

Dica de visita II

A propósito dos 'Caminhos do Sol Nascente', é oportuno dar a conhecer Ponte de Telhe. Um lugar de Moldes conhecido pela sua ponte centenária e pelas águas limpas do rio Paivó. No verão, é um local requisitado para apanhar sol  e refrescar o corpo. 




Águas do rio Paivó


Num dia solarengo e quente, recomendo uma caminhada matinal pelas terras de Moldes e, depois, uma descida até ao rio Paivó, em Ponte de Telhe, para uma ida a banhos. Até lá, têm de percorrer muitas curvas e contra-curvas. Mas, acreditem, vale a pena pois é dois em um.

Aventurem-se e bons passeios!

Um até já,

TS

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Caminhos do Sol Nascente

Uma manhã de primavera ou verão é uma boa oportunidade para sair cedinho de casa e rumar até Moldes. E a razão, para o fazer, é inquestionável. Falo da terceira pequena rota do município de Arouca, intitulada PR 3 - Caminhos do Sol Nascente, que dá a conhecer o vale, as aldeias e muitos encantos naturais da freguesia. Tudo à espera da visita de caminheiros.

Retrato de uma manhã com neblina e sol


O vale de Moldes é extenso e, parte dele, dá vida e cor ao  PR 3. Uma rota  de 13 km, em circuito, que pode ser iniciada em qualquer um dos pontos do percurso. Bustelo, Espinheiro, Fuste, Vila Cova, Póvoa e Friães são aldeias que trilham os 'Caminhos do Sol Nascente'.

Aqui, o início e fim está assinalado junto à Igreja Matriz e ao edifício da Junta de Freguesia de Moldes. E, a meu ver, é o local recomendado para os caminheiros de fora. Que, antes de mais, fiquem a saber que Moldes tem história e encantos naturais. 

A localidade foi invadida pelos árabes e ambicionada pelos muçulmanos e cristãos, o que levou à destruição da Igreja por mais que uma ocasião. A paisagem e natureza valem a visita e a caminhada e, como as "Memórias Paraquiais" informam, "o rio de Moldes tem quarenta levadas... e trinta e oito são de moinhos".

Igreja Matriz de Moldes


Ficaram curiosos? A ideia é mesmo essa. Tirá-los do sofá para beberem história e natureza. Mas, voltando ao início do percurso, junto da Igreja, os caminheiros seguem a estrada principal de asfalto até uma primeira bifurcação. Aí, podem seguir a direcção de Friães, a 1 km, ou a direcção de Bustelo, a 2,6 km. 

Seguimos para Bustelo e começamos a subir por trilhos de floresta, onde os castanheiros, pinheiros e eucaliptos predominam. Moldes é uma região de castanha, de cereja, de cultos religiosos e de belas paisagens. Também a agricultura está muito patente na vida dos habitantes locais (ver abaixo fotogaleira).


video
PR 3 - Caminhos do Sol Nascente



Já em Bustelo, passamos junto à capela da Senhora da Guia e coretos adjacentes. Aqui, os festejos ocorrem, sempre, no segundo domingo de Julho. Saímos da aldeia e partimos para Espinheiro a 2,6 km. Mais uma vez, imergimos mata adentro e, antes da chegada ao próximo destino, fazemos um pequeno desvio até Adaúfe.

Uma fugida de 700 m para conhecer Adaúfe

Aldeia de Adaúfe

2,9 km de Espinheiro a Fuste 


De volta a Espinheiro, os caminheiros podem acrescentar 150 metros ao percurso para conhecer a localização da 'Quinta de Espinheiro' e do alojamento/ restaurante 'Casa do Campo'. Ambos os espaços possuem uma vista privilegiada sobre o vale de Moldes.

As pernas repousam um pouco, mas as pegadas continuam aparecer passo a passo. Agora, rumamos até Fuste e o próximo obstáculo traduz-se em 2,9 km. Até lá, percorremos trilhos da Serra da Freita. Subimos e subimos até atingir a quota máxima da  pequena rota, 770 metros de altitude.

Depois, é tempo de descer e, a pouco e pouco, deixar a serra para trás. Mas, antes da chegada a Fuste, ainda encontramos o parque de lazer da Palma. Um local apropriado para repor energias, ao mesmo tempo, que oferece uma vista panorâmica magnífica para Moldes.


Fuste marca a passagem da PR 3 e início da PR 8


Em Fuste, o percurso passa junto da capela de Santa Catarina, onde tem início a oitava pequena rota (PR 8) do concelho de Arouca. A PR 3 abandona a aldeia, tomando um caminho florestal perto da escola primária local, já inactiva. Agora, encontramos um grande declive descendente até  chegar à aldeia de Vila Cova a 1,6 km. 

Canastro e o alto da Srª da Mó no pano de fundo 


Com os pés é Vila Cova, a vida agrícola volta a ser sentida. Caminhamos, lado a lado, com campos cultivados e bem tratados a fazerem de anfitriões. Culturas de milho, ramadas de vinha, loureiros, cerejeiras, castanheiros e belos exemplares de canastros ou espigueiros são avistados.

Póvoa e Friães são os últimos núcleos habitacionais do nosso trajecto. A Igreja de Moldes está perto. Falta 1 km de caminho e já conseguimos avistar o ponto de chegada. O percurso fica concluído com sucesso, em 4 horas e 30 minutos, e com o desejo de um dia voltar: "Adeus, até um dia...".

Aventurem-se!

Um até já, 

TS 



quarta-feira, 25 de junho de 2014

Pegada Ecológica

O que seria de nós sem a água limpa das nascentes dos riachos, ribeiras e rios? Como seria, nunca poder, acordar sem o cantar dos pássaros e o tilintar das folhas das árvores? E se os cheiros das flores, árvores e troncos desaparecem-se? O que seria de nós e do mundo?


Apelo 'Preserve a Natureza'


Bem, as perguntas coloco-as, como forma de reflexão, para que todos pensem o quão é importante a Natureza. Sem água, sol, chuva, vento, flora, fauna... o planeta seria uma imensa mancha escura, sem cores vivas e naturais. Por isso, a relevância de marcar, dia após dia, uma pegada ecológica.

Lembro a importância da manutenção dos percursos pedestres, a cargo das Câmaras Municipais, que nem sempre é visível, e o respeito dos caminheiros para com os espaços que visitam. Sim, porque desfrutar dos meios naturais é magnífico e saudável. O que é menos bonito é o deixar resíduos de lixo nos solos à espera de novos forasteiros. 

Aventurem-se, mas com consciência. Sim?

Um até já,

TS

terça-feira, 24 de junho de 2014

Dica de visita

Uma vez percorridos os 'Caminhos do Vale do Urtigosa', os caminheiros podem aproveitar a embalagem para visitar a Igreja de Urrô e o Memorial de Santo António, em Santa Eulália. Freguesias vizinhas que ficam a 5-10 minutos da localidade de Rossas. Por isso, nada mais oportuno do que fazer a segunda pequena rota (PR 2) de Arouca e, de seguida, conhecer dois monumentos classificados Imóveis de Interesse Público.

Igreja de S. Miguel de Urrô


Vista lateral da torre da Igreja de Urrô


Memorial de Santo António e meio envolvente




A Igreja de Urrô, construída no século XVII, é um dos monumentos religiosos antigos do município de Arouca. Classificado como Imóvel de Interesse Público, em 1951, o edifício possui uma torre sineira e românica, que eleva-se em frente à porta principal com um cruzeiro no seu adro. O interior é rico em talha dourada.

Já o Memorial de Santo António é um curioso e singular arco funerário medieval de granito. Classificado como monumento nacional, está situado no lugar de Santo António, freguesia de Santa Eulália, e é um tipo raro de sepulturas medievais (séculos XII-XIII). Acresce que é um do conjunto de seis monumentos do género existentes em Portugal e o único, genuinamente, românico do concelho de Arouca.

Fica a dica de visita às terras de Arouca. Aventurem-se e bons passeios!

Um até já,

TS


Caminhos do Vale do Urtigosa

Urrô e Rossas são duas freguesias de Arouca que, juntas, formam os 'Caminhos do Vale do Urtigosa'. E, como prometido, o percurso a realizar e a dar a conhecer, no fim-de-semana de S. João, é a segunda pequena rota (PR 2) do concelho em questão.

video
Rio Urtigosa e seus afluentes


O rio Urtigosa e seus afluentes (ver acima o vídeo) são os grandes atractivos da PR 2 de Arouca. Uma rota que pode ter início e fim nas imediações da vila,  por terras de Rossas e de Urrô. Com 11 km, em circuito, passa por Rossas, Póvoa Reguenga, Souto Redondo e Lourosa de Matos. Todos possíveis locais para começar a, pegada a pegada, calcar os trilhos rurais, tradicionais e de montanha. 

Igreja Matriz de Rossas


Aqui, o início fica assinalado na Igreja Matriz de Rossas, onde por estes dias celebra-se o S. João. A marcha começa às 14 horas e saímos, eu e o meu 'companheiro de caminhada', em direcção a Póvoa, que fica a 4 km. E, até lá, passamos pelo rio Urtigosa, pelo ribeiro de Escaiba (um afluente) e pelos lugares de Torneiro e Provisende.

Póvoa é a primeira paragem

A percorrer trilhos florestais

Capela do Imaculado Coração de Maria e S. Lucas

4 km ficam percorridos de Rossas a Póvoa

Já em Póvoa, os caminheiros conseguem avistar o lugar de Souto Redondo, a 1,3 km, o vale de Urtigosa e uma vista panorâmica sobre Rossas. Ao longo de todo percurso, encontram-se campos cultivados, grande áreas florestais, socalcos e toda uma vasta vegetação (ver abaixo a fotogaleria). Castanheiros, cerejeiras, carvalhos, pinheiros e sobreiros são os grandes responsáveis pela existência de sombra.


video
Pormenores captados nos 'Caminhos do Vale do Urtigosa'


A 1,3 km de Souto Redondo

Capela de Souto Redondo

Próxima etapa é Lourosa de Matos a 2,7 km

Um apontamento a registar é a partilhar de trilhos, de Póvoa a Portelada, da PR 2 com a GR 28 - 'Por Montes e Vales de Arouca', passando, pelo meio, por  Souto Redondo. Mas, agora, retomo a explicação do percurso.

Após atravessar as ruas de Souto Redondo, tomamos, novamente, caminhos florestais que conduzem-nos à próxima etapa, o lugar de Lourosa de Matos. E é, a meio do percurso, que a chuva começa a acompanhar-nos. O sol do início do percurso dá lugar, no céu, a uma grande mancha cinza-escura, que chega carregada de pingos gordos.

A chuva a molhar metade da PR 2

A 500 m do Urtigosa e a 2,3 km de Rossas

Chuva, piso escorregadio, pés húmidos e sapatilhas cheias de lama. Alguns entraves encontrados, mas que, em certa medida, até tornaram-se em algo engraçado. Pois, quando está frio e chove, a tendência das pessoas é refugiarem-se dentro das suas casas e, como tal, acabam por deixar passar, ao lado, certos prazeres da vida. O tempo chuvoso fez-me reflectir sobre isso e muito mais...



Águas do Urtigosa


A saber, o rio Urtigosa nasce, na freguesia de Urrô, a partir de vários riachos que escorrem das encostas da Freita. Depois, o rio desce e corre, desaguando, em Rossas, nas águas do Arda, um afluente do rio Douro. A segunda pequena rota do concelho de Arouca permite, aos caminheiros, fazer duas travessias sobre o Urtigosa e várias outras sobre os seus afluentes. 


Igreja de Rossas à vista

O percurso termina, às 17.30 horas, com a chegada ao largo da Igreja Matriz de Rossas, de onde partimos à descoberta de novas paragens. O balanço é positivo. Para trás, ficam três horas e meia de pegadas, miragens e cliques fotográficos com dois desníveis moderados, um ascendente e descendente.

Aventurem-se!

Um até já,

TS